Construção Saudável - Informativo

Boletim Informativo- Ano 10- nº 113 /Fevereiro 2015

Construção Saudável lança mais dois módulos

Para orientar colaboradores do setor da cons­trução, o Sinduscon-PA lança em março o terceiro mó­dulo do projeto Construção Saudável, intitulado “Do­enças Crônicas: Hipertensão, Diabetes e Lombalgia”. Já a quarta etapa será realizada no segundo semes­tre, e terá o tema “Drogas Ilícitas: Maconha, Cocaína e Crack”. Os novos enfoques foram sugeridos por um total de 3.975 colaboradores consultados e que per­tencem a 38 construtoras.

Eles participaram dos módulos I (dengue, han­seníase e tuberculose) e II (doenças sexualmente transmissíveis - DSTs, tabagismo e alcoolismo) das palestras realizadas ao longo do ano de 2014. Na consulta prévia aos trabalhadores, duas abordagens foram as mais indicadas: doenças crônicas aparecem como principal preocupação, com 22% da preferência; e, em segundo lugar, as drogas, com 12%.

Para o médico do Trabalho José Antônio Cor­rea Alves, é válida a inclusão desses dois módulos na programação de palestras do projeto. “É importante os colaboradores terem acesso às informações de pre­venção sobre esses dois temas”, ressaltou. Para o montador de andaimes Damião Marques, 30 anos, o projeto Construção Saudável serviu como novos aprendizados.

“Havia muitas coisas que eu não tinha conheci­mento, e o mais legal é que podemos tirar nossas dúvi­das sobre as doenças”, salientou. O carpinteiro Alfredo de Souza, 58, considerou proveitosa a iniciativa. “Às vezes sabemos, mas não temos orientação. Com as palestras a gente leva mais a sério”, observou.

O engenheiro de Qualidade Linevaldo Júnior, da construtora Sintese Engenharia, ressaltou: “Existe um percentual bem expressivo que absorve os ensina­mentos”, atentou. “Eles conseguem, no seu dia a dia, praticar o que aprenderam.”

O projeto é uma ação integrante da política de responsabilidade social desenvolvida pelo Sinduscon­-PA desde 2011, e vem abordando assuntos diversos, como a prevenção de doenças e locais de tratamen­to. Mais de onze mil trabalhadores já participaram das programações do projeto até agora.

Na ação, médicos, enfermeiros e outros pro­fissionais atuam em canteiros de obras, onde são repassadas informações ao público alvo sobre as enfermidades.