Construção Saudável - Informativo

BOLETIM INFORMATIVO - ANO 11 - Nº 130/JULHO 2016

Construção Saudável chega ao 5º ano
Há cinco anos, um dado alarmante despertava a atenção do Sinduscon-PA: mais de 32% dos trabalhadores atendidos pelo setor médico do sindicato haviam sido acometidos por doenças consideradas erradicadas pelos órgãos de controle - como hanseníase e tuberculose – ou pela dengue, doença endêmica no Brasil. A grande preocupação motivou uma atitude proporcional. No dia 5 de julho de 2011, nascia o Construção Saudável. Iniciado como campanha pró-saúde, o projeto cresceu em alcance e temática. Hoje com meia década de atuação, o programa recebe grande aceitação de seu público-alvo, além da aprovação das empresas participantes. Já são mais de 28 mil trabalhadores beneficiados diretamente por meio de palestras socioeducativas em módulos independentes, que proporcionaram melhoria na qualidade de vida dos colaboradores da construção civil e de suas famílias.
Com a criação do primeiro módulo, que abordou dengue, hanseníase e tuberculose, atendendo quase 3.700 colaboradores, mais de 150 canteiros receberam a visita das palestras, entre treinamento de equipe, preparação do material e divulgação da campanha.
A partir de 2013, depois desse primeiro e significativo resultado, enfatizou-se o protagonismo do trabalhador: o Sinduscon-PA focou na escuta do profissional, que pôde exercer sua voz e solicitar a inclusão dos temas que mais interessavam para a sua realidade. Assim, o projeto pôde não só recolher dados, mas também estimular a autonomia e o espírito democrático dentro da coletividade.
Nascia, então, uma campanha que abria o debate sobre direitos legítimos de todos à saúde, bem como a práticas de melhorias nas relações interpessoais por meio de ações socioeducativas nas quais o trabalhador passou a ser agente da história do projeto.
“A metodologia escolhida para a implantação do Construção Saudável estabelece que os seus eixos temáticos são escolhidos pelo trabalhador, que se transformam em sujeitos de desenvolvimento social no momento em multiplicam boas práticas em seus meios de convivência”, explica Eliana Veloso Farias, gestora da Central de Serviços do Sinduscon-PA.
Dessa pesquisa de campo, surgiram os dois módulos seguintes – o segundo, abordando doenças sexualmente transmissíveis, tabagismo e alcoolismo; e o terceiro, focado em diabetes, hipertensão e lombalgia. Com esses três eixos temáticos, o projeto atingiu mais de 26.900 mil pessoas. Nos últimos 12 meses participaram dos eventos 7.638 servidores da construção civil, provenientes de quarenta empresas diferentes.



A implantação de um programa de responsabilidade social corporativa (RSC) deve estabelecer uma ligação segura com a cidadania empresarial. “O Construção Saudável estabelece a conexão entre a evolução do pensamento empresarial colegiado e o aprimoramento da gestão interna das empresas representadas pelo Sinduscon-PA, que não mais se posicionam como empregadoras e se transformam em agentes de humanização e de integração da cadeia de valor”, destaca o vice-presidente do Sinduscon-PA, Alex Carvalho.

Informação acessível
Entre as corporações com maior número de participantes, está a Roma Construtora. Ângela Oliveira, técnica do operacional da firma, destaca o caráter acessível do conteúdo como uma das razões do sucesso do Construção Saudável. “É um projeto muito importante, principalmente para nós, que trabalhamos no operacional. Além dos materiais didáticos, as palestras também são muito bem recebidas. Nunca tivemos nenhum tipo de reclamação por parte dos trabalhadores, seja por desinteresse ou dificuldade de compreensão das exposições. É tudo feito de maneira simples e competente, e os temas são sempre interessantes. Por isso, acredito que o saldo deste trabalho seja extremamente positivo”, avalia. Ela aproveita para indicar o que gostaria de encontrar nos módulos seguintes. “A título de sugestão, gostaria de encontrar ainda mais temas para engrandecer o projeto, como os relacionados a doenças ocupacionais ou respiratórias, que são tão comuns entre os operários”.

Técnica em segurança do trabalho da Quanta Engenharia, Maria Edinair Silva Guimarães, atuante há dez anos no setor, percebe em seu cotidiano profissional as marcas benéficas que o Construção Saudável já deixou, e destaca um elemento que muitas vezes passa despercebido. “É de suma importância esse trabalho do Sinduscon junto às empresas, sobretudo a atenção ao fator álcool – que é um dos maiores causadores de acidentes de trabalho, principalmente na indústria da construção civil”, aponta. “Para a Quanta, tem sido de grande valia o trabalho que vem sendo desenvolvido, bem como a maneira atenciosa como ele ocorre. Eu geralmente pergunto pra eles o que eles acharam, e o retorno tem sido muito gratificante. O sindicato está de parabéns”.
A diretora de Relações Institucionais do Sinduscon-PA, Maria Oslecy Garcia, avalia o programa como capaz de realizar profundas transformações na relação entre trabalhadores e corporações. “Esse é um programa de importância muito grande do ponto de vista macro-estratégico, posto que tem a ver com o valor humano da relação capital/trabalho. Ele demonstra de que maneira nós podemos desenvolver e aplicar ações que tenham rebatimento de benefício direto e efetivo para o trabalhador e sua família, bem como para as empresas”. Ela também destaca a necessidade de expandir o projeto, para que possa alcançar um universo maior de colaboradores. “Eu diria que o Construção Saudável chegou para ficar. A cada ano ele amplia mais, e além de ampliar, ele toma novos rumos - até diante de todas as necessidades que surgem num segmento tão urgente. Eu diria que este programa precisa de atenção especial de todos, tanto de lideranças dos trabalhadores como das empresariais”.


Presidente do Sinduscon-PA: compromisso
Qual a principal importância do Projeto Construção Saudável para o setor hoje?
O Projeto Construção Saudável é a maior promoção em responsabilidade social para os trabalhadores das empresas representadas pelo Sinduscon-PA, colaborando diretamente para a melhoria da qualidade de vida daquelas pessoas que oferecem ao setor da construção o maior bem, que é a força de trabalho. Ele surgiu de uma campanha e atualmente é reconhecido por todos, por reforçar o entendimento do ser humano como agente de transformação, aplicando metodologias educativas e reflexivas. Seus aspectos informacional, prevencionista e democrático asseguram a participação cada vez mais ampla de seus beneficiários, permitindo-lhes o empoderamento, além de novas posturas nos ambientes pessoais e profissionais.
Como o senhor avalia a trajetória e os resultados do projeto após cinco anos de atividades?
O objetivo da diretoria do Sinduscon sempre esteve estrategicamente vinculado à melhoria das relações humanas nos meios de produção. Mas esse pensamento evoluiu, melhorou. Precisávamos colocar em prática a ideia de que reconhecemos os trabalhadores como cidadãos conscientes, emancipados e capazes de multiplicar boas práticas em todos os seus meios de convivência. O Construção Saudável materializa essa entendimento, e a credibilidade desses trabalhadores em relação às ações do projeto demonstram que estamos no caminho certo. E com o reconhecimento da importância do programa, o grande multiplicador será o maior beneficiado, que é o trabalhador.
Quais os próximos desafios e metas do projeto Construção Saudável?
A meta mais desafiadora é expandir as ações do projeto para todo o estado. Então, ficaremos sossegados e felizes com o dever cumprido.
O que deverá ser inovado e/ou aperfeiçoado para alcançar melhores e maiores resultados e participação de empresas e trabalhadores?
A constante renovação dos eixos estruturantes do projeto é uma condicionante prevista em sua própria estruturação. Mas quero destacar que é o próprio trabalhador quem determina essas implementações: ele avalia, opina e decide sobre o tema que quer conhecer, para que a sua vida tenha mais qualidade. Ficamos na retaguarda, respeitando o percurso natural do projeto, no qual o trabalhador é sujeito social. Alinhar com novos parceiros e promover novas estratégias de execução é uma consequência do compromisso que assumimos com muita satisfação.


Módulo Especial: sucesso de público
À medida que o projeto Construção Saudável foi sendo apropriado pelos trabalhadores, eles mesmos sinalizaram o desdobramento de um novo módulo, com os temas dengue, chikungunya e zika, doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti. Num ambiente tropical e de muitas chuvas como o de nossa região, a proliferação do mosquito tornou-se uma preocupação para os trabalhadores, que receberam orientações desde como evitar a formação de focos do aedes, prevenção com mosqueteiros, inseticidas e repelentes; aos sintomas das doenças e onde procurar ajuda médica.
Com parceria junto ao Departamento de Vigilância à Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, o módulo foi criado em janeiro de 2016 diante do aumento dos casos das doenças transmitidas pelo mosquito. O módulo foi um sucesso de adesão e já atendeu mais de 1.600 trabalhadores, sendo o mais procurado entre os quatro módulos oferecidos este ano: informação aplicada na realidade dos colaboradores e que é fundamental para enfrentar a epidemia que deixou o Brasil em estado de alerta nos últimos meses. Em 2016, somando os quatro módulos, o projeto beneficiou mais de 4 mil trabalhadores. A meta é atingir 10 mil beneficiados.
Oslecy Garcia enfatiza ainda o condão de empoderamento dos operários, fator essencial para o sucesso deste planejamento. “O nosso grande sonho é que nós tenhamos um programa que atinja o centro das nossas empresas e dos nossos trabalhadores, e a gente tem avançado nisto de uma maneira muito forte. Mas também é preciso que o próprio trabalhador entenda que ele é o protagonista desse sucesso. Portanto, ele precisa atuar efetivamente como tal. Eu tenho uma admiração muito grande por esse projeto, assim como pela equipe que faz tudo isso acontecer”, pontua.
Quarto módulo: drogas ilícitas
O quarto eixo de implementação do Construção Saudável vai abordar o debate sobre drogas ilícitas. No momento, a equipe da Central de Serviços trabalha no desenvolvimento de metodologias e na identificação de parceiros com reconhecida expertise sobre o tema, que também foi escolhido pela expressiva maioria dos milhares de trabalhadores que participam do projeto.
Para Eliana Veloso, o grande diferencial do Construção Saudável é o seu caráter desafiador de realizar a responsabilidade social corporativa em larga escala. “O projeto envolve milhares de pessoas na construção de um canal para um mundo melhor, com efeito para dentro e fora da ambiência do trabalho”.